Gerivaldo: Melhor mediar conflitos do que conciliar litígios

Com sua linguagem sempre direta, criativa e provocativa, meu amigo Geri cria novos desenvolvimentos das lições de Warat, dialogando constantemente com as necessidades pulsantes do surreal mundo em que vivemos.

Aliás, o Warat sempre conta que o momento mais feliz de toda sua vida na Escola, foi quando Geri usou em uma sentença o Manifesto do Surrealismo Jurídico, ao invés da Constituição.

Deixo aqui mais uma contribuição que escreve em seu blog.

Melhor mediar conflitos do que conciliar litígios

http://gerivaldoneiva.blogspot.com/

Não bastasse a meta 2, o CNJ cobra dos juízes a realização de uma semana nacional de conciliação, de 07 a 11 de dezembro.

O problema é que depois de um ano de trabalho sob pressão, em dezembro, estamos todos esgotados. Desde o oficial de justiça ao juiz da vara, estamos com as baterias no final da carga. Não é possível resolver em poucos meses o problema de décadas.

Pois bem, no meio desta confusão toda, ainda encontrei tempo para ler o último livro de Warat (A rua grita Dionísio. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010) e me confortar com suas idéias sobre, conflito, litígio, mediação, alteridade…

Diz Warat: “No mundo do Direito e suas linguagens o rosto secreto de Deus se chama Mediação (como produto de diferentes conflitos).”

Agora, deixando clara a diferença entre mediar conflitos e conciliar litígios, explica Warat:

“para a cultura do litígio, a única realidade que importa é a que está nos processos. Uma ideia que resulta oposta à concepção conflitológica da mediação […] Ora, os litígios são de Babel, nenhum operador institucional, enquanto tal, sai dela; assim posto, seria contraproducente tentar introduzir a mediação no interior do labirinto processual (Kafka também falou disso). A mediação capturada pelos procedimentos litigiosos perde toda a sua razão de ser, perde totalmente sua força revolucionária (no sentido de transformação radical das práticas sociais de justiça). A força social da mediação radica em sua possibilidade de retirar os operadores do direito de seu labirinto, levá-los para as práticas existenciais. As práticas jurídicas precisam encontrar a saída para o mundo, aproximar-se aos excluídos do labirinto, e ainda aos que estão pior que os excluídos, que são os esquecidos do mundo, aqueles que o social sequer repara a sua existência.”

Então, vamos à Semana Nacional de Conciliação com a forte sensação de que estamos fazendo justiça justa e rápida, mas na verdade estamos apenas conciliando litígios criados muitas vezes propositadamente, absolutamente desnecessários, por grandes corporações, que apostam na morosidade e ineficiência do Judiciário. Sendo assim, não passamos de cúmplices do engodo e da exploração, perdidos em labirintos processuais sem fim.

Neste sentido, mais uma vez, Warat observa: “a maioria dos juristas acredita também que todas as verdades de seu universo encontram-se nas normas, não sendo necessário sair delas para realizar as práticas sociais de justiça.”

Por fim, é uma leitura obrigatória para todos que estarão envolvidos neste processo de conciliação de litígios.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s