Texto do Nassif sobre a “decisão” do STF sobre o Caso Battisti

22/11/2009 – 08:29

A degringolada do Supremo

Luiz Nassif

http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2009/11/22/a-degringolada-do-supremo/

Eis aí o resultado do ativismo judicial, da falta de compostura pública de Gilmar Mendes e das más escolhas para a composição Supremo. A mais alta Corte, hoje em dia, é uma instituição sob suspeita junto à opinião pública e desmoralizada perante os especialistas. E os jornalões tiveram papel central nessa demolição de imagem, quando – por razões táticas, para desmoralizar a Satiagraha – tentaram transformar Gilmar em ícone do Judiciário e na cara do Supremo. Agora, o Supremo tem a cara de Gilmar.

Em plena campanha de endeusamento de Gilmar, as seções de comentários dos próprios jornalões, na Internet, mostravam quase 90% de desaprovação à figura pedante, agressiva e deslumbrada de Gilmar.

O resultado foi isso: desmoralização do Supremo e da mídia.

Do Estadão

Caso Battisti expõe crise no STF

Relações entre os ministros beiram o vale-tudo, seja nos julgamentos em plenário ou no trato do dia a dia

Felipe Recondo e Mariângela Gallucci

O clima de guerra que se instalou no Supremo Tribunal Federal (STF) nas últimas semanas, especialmente por causa do processo da extradição do ativista italiano Cesare Battisti, mostra que as relações entre os ministros beiram o vale-tudo – seja nos julgamentos em plenário ou no trato do dia a dia. Em conversas reservadas, há ministros que até xingam colegas por desavenças ocorridas durante os julgamentos.

Recentemente, ao comentar o caso Battisti, um deles questionou se o autor de determinado voto chegaria ao STF se tivesse de se submeter a exame prévio de sanidade mental. Outro, chamado de “burro” por um de seus pares numa conversa reservada, acusou um terceiro de ser “menino de recado” do presidente do Supremo, Gilmar Mendes.

Esses ataques pessoais e o clima de desconfiança geral nem sempre ficam nos bastidores do tribunal. No recém-concluído caso Battisti, o ministro Eros Grau afirmou que colegas abandonavam a razão para julgar o processo com paixão. “Parece que não há condições no tribunal de um ouvir o outro, dada a paixão que tem presidido o julgamento deste caso”, afirmou ele, depois de várias tentativas frustradas de explicar seu voto durante a sessão.

A paixão que Eros Grau disse ter dominado o julgamento pode, de acordo com alguns ministros, ser a explicação para fatos estranhos que rondaram o processo. Um deles se refere às divergências entre a ata publicada e o resultado proclamado na primeira sessão de julgamento. A resistência de ministros em aceitar que a maioria do tribunal dava ao presidente da República a última palavra no caso da extradição de Battisti foi outra demonstração de que essa guerra extravasa os bastidores.

BATE-BOCA

Em outros casos julgados no ano passado e neste ano, as desavenças se tornaram elementos dos processos, como o bate-boca entre Marco Aurélio Mello e Carlos Ayres Britto no julgamento do processo de demarcação da terra indígena Raposa Serra do Sol. Ou da briga entre o presidente do STF e o ministro Joaquim Barbosa, quando discutiam uma lei de Minas Gerais que tratava de servidores públicos, caso que não prometia grandes polêmicas.

“Vossa Excelência não está na rua, não. Vossa Excelência está na mídia, destruindo a credibilidade do Judiciário brasileiro”, afirmou Barbosa naquele julgamento, em abril deste ano. “Vossa Excelência quando se dirige a mim, não está falando com os seus capangas de Mato Grosso, ministro Gilmar. Respeite.”

O confronto ríspido tem se tornado habitual na corte. Para alguns ministros, não basta divergir do voto do colega, é preciso atacá-lo. “Respeite meu voto. Não acho que seja adequado criticar o voto alheio. Vossa Excelência classificou meu voto de periférico, como se eu tivesse aqui delirado”, reagiu Marco Aurélio, em referência às intervenções de Ayres Britto durante o julgamento da Raposa Serra do Sol.

TESES

A resistência ao argumento alheio se evidenciou no julgamento do caso Battisti, quando Gilmar Mendes demorou a proclamar o resultado, depois que sua tese sobre a obrigação de o presidente da República seguir a decisão do Supremo foi derrotada. Ou quando Cezar Peluso, relator do processo, se recusou a redigir o acórdão sozinho, ao se dizer incapaz “intelectualmente” de relatar a tese contrária ao seu entendimento.

“Olha, eu não fui incapaz intelectualmente de entender o voto dele”, reagiu Ayres Britto. O ministro concordou duas vezes, no julgamento de Battisti, com a tese de Peluso. Na última votação, divergiu, votou por deixar a última palavra sobre a extradição ou não do ativista com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Isso é incompreensível? Incompreensível como? Eu estou falando grego?”

“ESTICA E PUXA”

Sinal desse jogo de “estica e puxa”, como definiu o próprio Ayres Britto durante o julgamento da demarcação da Raposa Serra do Sol, são as pressões nos bastidores por mudança de votos, especialmente em casos polêmicos. Nesses processos, um voto alterado muda por completo o destino de um investigado. A denúncia contra o deputado Antonio Palocci (PT-SP) no processo de violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo dos Santos Costa, por exemplo, foi rejeitada por 5 votos a 4. Mesmo placar das três votações do caso Battisti – ao julgar ilegal o refúgio, ao autorizar a extradição e ao garantir a Lula a última palavra no processo.

De acordo com ministros, essa projeção que deu um placar apertado na análise do caso Battisti foi a razão de tantas acusações dentro do Supremo de que Ayres Britto estaria sofrendo pressão para mudar seu voto. Acusações que forçaram o ministro, dos mais calmos da atual composição, a elevar o tom. “Eu sou imune a pressão. Quem se meter a me pressionar está perdendo seu tempo. Venha de onde vier esse tipo de pressão”, afirmou. “Estou me lixando para os que pensam que me dobram.”

Por Janice Ascari

Repito aqui comentário feito no grupo Justiça:http://blogln.ning.com/group/justica/forum/topics/caso-battisti-expoe-crise-no

O Estadão pegou muito pesado com Marco Aurélio, Ayres Britto e Joaquim Barbosa, como se fossem “os” encrenqueiros do tribunal.

Ayres Britto é pacificador e tenta sempre contornar as muitas saias-justas das sessões.

Marco Aurélio e Joaquim Barbosa primam pela sinceridade, espontaneidade e coerência de pensamentos.

Eros Grau não esconde o cansaço e o desinteresse pela função.

O jornal simplesmente ignorou o principal: a conduta do presidente do STF, Gilmar Mendes, que pressiona publicamente, pré-julga, interrompe sem cerimônia os outros Ministros quando estão votando, faz o que quer nas sessões e, como se viu muitas vezes, é extremamente grosseiro, sem nenhuma finesse – quesito no qual Lady Ellen Gracie é imbatível. Quando presidia a Corte, por diversas vezes ela segurou a onda de seus pares com uma classe extraordinária, admirável.

A TV Justiça (que deveria ser canal aberto e gratuito), ao transmitir as sessões ao vivo, escancarou ao país, em tempo real, o verdadeiro comportamento de cada um na Corte e o peso das diferentes personalidades em cena. Quem agrega, quem segrega, quem se entrega, quem sabe, quem não sabe e quem finge que sabe. A índole de cada um fica transparente na tela da tv.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s