José Guilherme Vilella: O legado da esperança de sermos melhores, uns com os outros

Reproduzo abaixo crônica emocionante do Alde Santos Júnior, fundador de uma tradicionalíssima banca de advogados e Procurador-Chefe da Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro em Brasília.

À memória de José Guilherme Vilella.

0D26AE63D902174B4245393B9FC93CF542DB_tseOs antigos afirmavam que chuvas incomuns prediziam mudanças e tragédias. As últimas águas de agosto carregavam o presságio de uma ausência que não será aplacada pelo almejado esclarecimento das circunstâncias do  infortúnio.

Antes de seguir o conselho da sábia Júlia, que aos cinco anos me pede para não ficar triste e pensar em coisas lindas, sinto a precoce saudade e uma certeza.

Não mais ouviremos a defesa oral contundente, quase gritada, que a todos convencia e  sempre, ou quase sempre, vencia.  Nos corredores, não mais teremos a alta voz, o riso largo e o gordo aperto de mão. Tampouco vamos nos irritar ou rir da impossibilidade de comentar sobre as nossas causas, já que as dele, sempre as dele, eram o predileto ou o único assunto.

O maroto sorriso de quem, sabendo mais, preferia não discordar, também ficará somente na lembrança.

Quem teve a ventura do convívio ou do combate com o advogado José Guilherme Vilella sabe que as altas Cortes dificilmente verão outro advogado tão eficiente, tão combativo e tão representativo de um tempo de advocacia que lamentavelmente parece querer desaparecer.

Tempo em que advocacia era somente para advogados. Tempo em que não existiam super-advogados ou super-escritórios, mas advogados brilhantes.  José Guilherme era, por talento, ética e por esforço, brilhante.

Advogava com paixão, conhecimento e com aquela simplicidade que Clarice Lispector afirma só ser possível atingir com muito trabalho e dedicação. Aliás, talvez dessa combinação tenha decorrido o título de Príncipe dos Advogados.

J. L. Borges alude ao sentimento inútil de angustia “de que nada nos teria custado ter sido melhores” quando recebemos notícia de que um amigo se foi.

José Guilherme deixa-nos a esperança de que podemos e devemos ser melhores, uns com os outros.

Brasília, 2 de setembro de 2009.

Alde Santos Júnior

Um pensamento sobre “José Guilherme Vilella: O legado da esperança de sermos melhores, uns com os outros

  1. Belas palavras. Não conheci o Dr. Vilella, mas manifestações como esta demonstram, tal a emoção do testemunho de quem conviveu, que ele era um exemplo a ser seguido. Era, não! Continuará sendo. Aos colegas de Brasília, recebam meus sentimentos de pesar. M. Antônio, Fortaleza – CE.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s